Secretaria de Cultura no Twitter  Secretaria de Cultura no YouTube  Secretaria de Cultura no Facebook

Revista 

nuvem de tags

abpitv   beatles   daniela-mercury   espacos-das-artes-zelia-arbex   guia-afetivo-da-periferia   miller   mudanca   raul-seixas   rio-cultura-musica-sustentabilidade   semana-da-diversidade

nuvem de tags
Notas

Comédia Dani Night estreia dia 3/11, às 19h, no Teatro Gonzaguinha. A peça explora o conflito de uma mulher liberal que resolve se casar. Ingressos a R$20. Mais informações: (21) 2503-4622

29/10/2014


A banda mineira Pato Fu faz show nesta sexta (31/10), às 21h, no Sesc Madureira. Os ingressos têm preços populares entre R$ 3 (associados Sesc) e R$ 10 (inteira). Mais informações: (21) 3350-4253

28/10/2014


O programa ZoaSom realiza seu Primeiro Concurso de Bandas e Músicos Independentes. As inscrições estão abertas até 31/10, somente para o Rio de Janeiro. Mais informações no site do programa.

28/10/2014


O filme Democracia em Preto e Branco encerra a mostra PoliSonoridades, nesta sexta. Após a sessão, que acontece às 17h30, o diretor Pedro Asbeg participa de uma conversa com o público. Grátis.

23/10/2014


todas as notas

Papel, carvão e gesto humano

Mostra coletiva de desenhos no Centro Cultural Justiça Federal reúne trabalhos de 47 artistas brasileiros

Matérias 18.09.2012 deixe aqui seu comentário

Making of do trabalho de Hilton Berredo, desenvolvido especialmente para a exposição '6B'  (Crédito: Hilton Berredo)

Volt, de João Penoni
'Connect me', de Claudia Malaguti

O desenho pode ou não ser um fim em si mesmo. Da engenharia ao cinema, todos os segmentos da atividade humana passam pelo combinado de lápis e papel – ou, no caso do desenho digital, pelas ferramentas virtuais. Para festejar a arte da reprodução por meio de linhas e sombras, o Centro Cultural Justiça Federal apresenta, entre os dias 20/9 e 28/10, a mostra coletiva 6B, que conta com a presença de 47 artistas brasileiros que trabalham com o desenho em suas mais amplas expressões.  


Através de três eixos – o desenho como plano, o desenho como invenção e o desenho como obra –, a exposição busca destacar a potência dos traços como forma de criação, apreensão do real e ato de consciência. Como suportes de registro, entram o papel, a madeira e a tela, e, como materiais de ação, pipocam o grafite, o carvão, o airbrush, a fotografia, o vídeo, os fios de variadas naturezas e as instalações.


O desenho como forma criadora


Concebida por Mauro Trindade, a “celebração” ao desenho germinou, inicialmente, da experiência pessoal do jornalista e professor de História da Arte. “Sempre pedi aos meus alunos que desenvolvessem trabalhos visuais, e os desenhos quase sempre prevaleceram. Além disso, como os museus atualmente não permitem que você fotografe, passei a desenhar para memorizar os trabalhos. Por fim, venho notado um resgate forte do desenho pelos artistas contemporâneos”, enumera o curador.       


Na seleção especialíssima de 6B, participam nomes tarimbados como Manfredo de Souzanetto, Hilton Berredo, Gianguido Bonfanti, Milton Machado, Roberto Magalhães, Zaven Paré, Teresa Salgado, Daniel Senise, Monica Barki, Alexandre Chan e Lia do Rio, além de talentos da nova geração, como João Penoni, Daniel Lannes, Alexandre Hypólito, Julia Debasse e Roberto Müller.


Para além das artes plásticas, a exposição também procura refletir a importância do desenho como forma criadora dentro de diversos áreas de atividade, como a física, a arquitetura, o design, a fotografia e o audiovisual. “A ideia do desenho como plano está presente em todos os campos do conhecimento humano”, observa Trindade.


Um dos pontos altos da mostra é o trabalho do pintor carioca Hilton Berredo, que criou especialmente para a coletiva um painel em papel manteiga e nanquim com oito metros de comprimento. “A ideia do trabalho veio da migração das gaivotas que vejo há anos da minha janela – elas vão a uma direção pela manhã e voltam à tarde por outra. Além de representarem uma transição, esses pássaros vencem as circunstâncias descontínuas do ar, do vento e do mar. Feita através de colagens, minha obra é um manifesto pela esperança”, explica Berredo.


Outros destaques da exposição são o políptico fotográfico, de Renato Velasco; a série de fotografias de grafites de presidiários colhidos em delegacias e penitenciárias do estado do Rio, de Yoko Nishio; o conjunto de croquis da concepção da Ponte do Saber, de Alexandre Chan; a imagem de uma procissão nos Andes peruanos, de Renan Cepeda; e a instalação com os elementos básicos do desenho - papel, carvão e gesto humano -, de Yara Pina.


A abertura para convidados da exposição acontece no dia 19/9, às 19h.


Leia mais em Programação Cultural.


Colaboração de Camila Lamha



 indique para amigo         versão para impressão

 permalink

Compartilhe:   facebook   twitter   orkut   delicious   digg   technorati   google   stumbleUpon


tags

centro-cultural-justica-federal

6b

mauro-trindade-

desenho

hilton-berredo

comentários

Não há comentários até o momento.


* campos obrigatórios














500 caracteres restantes


Digite os caracteres que aparecem na imagem abaixo:

Verificação